Ciclic

Saiba tudo sobre a Reforma da Previdência 2019

A reforma da previdência é um assunto polêmico, mas necessário. A cada mês, o Estado paga quase R$ 34 bilhões em benefícios apenas no Regime Geral de Previdência Social e o medo de que muito em breve não consegue mais suprir essa necessidade fez com que o governo levantasse a questão de uma reforma.

Mas o que é de fato essa reforma? Para evitar colocar em risco o recebimento de aposentadorias, pensões e demais benefícios por esta e pelas próximas gerações, a reforma da previdência refere-se a mudanças de regras na idade mínima ou tempo de contribuição para se aposentar.

Atualmente, a idade mínima para se aposentar é de 60 anos para homens (ou 35 anos de contribuição) e de 55 anos para mulheres (ou 30 anos de contribuição). Segundo o governo, a ideia é alterar a idade mínima de aposentadoria para 65 anos para os dois sexos.

Isto elevaria o tempo de contribuição mínima de 15 para 25 anos. Ou seja, para se aposentar, será necessário ter 65 anos de idade e ter contribuído por 25 anos para o sistema previdenciário. Não será mais possível se aposentar apenas pelo tempo de contribuição. E não pense que a rentabilidade da poupança é uma saída.

Como funciona a previdência?

As contribuições das pessoas ativas, ou seja, que estão trabalhando, é o que sustenta os benefícios dos aposentados. Mas, ultimamente, essas contribuições não têm sido suficientes para atender toda a demanda do país, é o que o Estado chama de “rombo da previdência”.

Esse número, que é o resultado da arrecadação menos os gastos, já atingiu R$ 268,79 bilhões em 2017. Como o governo paga tudo isso? Financia com tributos ou pega dinheiro emprestado de sociedade por meio de emissão de títulos públicos.

O envelhecimento da população é a grande preocupação do Estado, já que o perfil da sociedade brasileira tem mudado. As pessoas estão vivendo mais, o que significa que estão recebendo benefícios por mais tempo. Os ajustes prometem fazer a manutenção para todo esse conjunto de benefícios previdenciários.

Reforma da Previdência: Qual é a proposta de impacto da reforma?

Na prática, a reforma da previdência vai igualar os regimes dos trabalhadores da iniciativa privada e dos servidores públicos, além de diminuir as despesas do governo.

Sem esses gastos que tem hoje em dia, por exemplo, para cobrir o rombo da previdência, o Estado seria capaz de reduzir impostos e o setor privado poderia contribuir mais e gerar mais arrecadação tributária.

Ou seja, tratando-se de saúde monetária do país, teríamos todos um ambiente mais favorável. Menos impostos, mais investimentos, mais renda e emprego para a população.

Previdência Privada: Invista no seu futuro!

A longo prazo, a não reforma da previdência pode trazer consequências graves para esta geração, que se aposentaria lá na frente. Especialistas afirmam que é muito provável que o rombo só aumente e permaneça em desigualdade com o aumento de contribuições e a aposentadoria deixe de existir.

Isso quer dizer que a aposentadoria, que depende do setor público para existir, deixará de ser uma opção para os brasileiros. Dessa forma, independente do futuro da votação ou não da reforma, de sua aprovação ou não, é importante que o trabalhador não dependa só disso para garantir o seu futuro e comece investir na previdência privada.

Você já pesquisou bem sobre a previdência privada? Ao escolher um bom plano, você pode garantir um futuro tranquilo sem precisar se preocupar com o andar dessas escolhas coletivas, já que é um investimento seu, sem riscos e com um bom rendimento.

Na Ciclic, por exemplo, você pode ficar livre do pagamento da taxa de carregamento, uma das principais vilãs para o rendimento de um investimento desse tipo. Procure saber sobre o melhor plano de previdência privada para você e comece a investir a partir de R$ 1.